To All The Boys: P.S I Still Love You (2020)

 

Filme: To All The Boys: P.S I Still Love You
Data de lançamento: 12 de Fevereiro 2020 | ( 1h 41min ) | PG-13
Realizador: Michael Fimognari
Elenco: Lana Condor, Noah Centineo, Jordan Fisher
Géneros: Comédia, Drama, Romance
Produção: Ace Entertainment, All The Boys Productions, Awesomeness Films
Distribuição: Netflix
Sinopse:  Lara Jean (Lana Condor) não esperava apaixonar-se por Peter Kavinsky (Noah Centineo) quando eles fingiam namorar, mas a relação entre ambos rapidamente deixou de ser artificial. Só que, ao reencontrar uma paixão do passado, John (Jordan Fisher), tudo fica ainda mais complicado para a jovem, que precisa entender o que se passa internamente para tomar uma grande decisão.[…]

Crítica:

A todos os rapazes que já amei foi uma verdadeira surpresa em 2018, uma comédia romântica com um forte magnetismo emocional, um filme que procurava não cair em todos os clichês dos filmes do género romance, que procurou até subverter algumas das expectativas. O resultado final foi uma encantadora pequena viagem que representou um sucesso para a Netflix, e tornou-se óbvio que uma sequela não estava muito longe de ser produzida.

Então, é esta uma sequela digna? Sim e não. Enquanto To all the Boys: P.S I still Love You não é um desastre de filme, também não é tão diferente e emocionante como o primeiro filme. A sequela continua a saga de Lara Jean, que, agora numa relação com Peter, encontra-se a duvidar dos seus sentimentos com o aparecimento de John Ambrose, um dos remetentes de uma das suas cartas de amor no primeiro filme. Será que Lara Jean nutre fortes sentimentos por John? Será que Peter é o seu único objeto de paixão?

Esta segunda parte da história de Lara Jean mantém o carisma das personagens introduzidas no primeiro filme, é agradável poder passar um pouco mais de tempo a observar as peripécias de cada uma delas, principalmente as de Lara Jean, que continua singular e original na sua personalidade. Os atores também eles trazem todo o magnetismo necessário para que nos sintamos completamente embrenhados nas histórias retratadas no ecrã, o que é sempre um forte ponto positivo. A química entre Lana Condor e Noah Centineo também é de louvar, pois traz aquele elemento credível necessário ao investimento na sua relação que vemos desenrolar ecrã.

Contudo, este filme faz precisamente aquilo que o primeiro se esforçou tanto para escapar: o uso de clichês. O enredo em si não é complexo, é de uma fina simplicidade que honestamente não justifica a sua existência (para além de lucrar do sucesso do seu precedente), dado que se baseia em pequenos dramas e vicissitudes que já vimos representados em outros projetos, típicos do género de filme.

A realização é competente, e o filme, visualmente, é agradável de observar, sendo que a cinematografia é realmente interessante e atribui ao filme uma aura leve e colorida. Há um claro cuidado por trás da câmara de tentar entregar à audiência o melhor produto possível, e apesar de isto ser um produto do sucesso de um outro filme, nunca se nota uma falta de empenho no projeto por quem se encontra por trás do mesmo.

Não fosse realmente a representação pelos atores, as personagens carismáticas e o diálogo ocasionalmente espirituoso, o filme realmente cairia num patamar mais negativo, dado que realmente não tem nada de novo a oferecer. O guião é o principal problema do filme, pois não oferece nada realmente emocionante ou interessante, deixando-se assentar no familiar conflito da indecisão que leva a uma conclusão que é óbvia desde o começo da película.

No seu todo, e como já referi, P.S I still Love You não é um desastre, mas também não supera o primeiro filme, recostando-se no familiar e clichê. Claro que, devo admitir, é uma hora de conteúdo relativamente agradável, facilmente digestível, que irá agradar os fãs do primeiro filme, mas não penso que irá ganhar nenhuns novos admiradores.

< Voltar

Nota: